O Especial Férias em Orlando do Voopter segue a todo vapor. Se, por acaso, você ainda não tem certeza que esse é o destino certo para sua próxima viagem, isso pode mudar hoje, depois de descobrir um pouco mais sobre as opções de entretenimento existentes. E, uma boa dica para começar a programar suas férias é evitar períodos de alta temporada, principalmente durante o verão norte-americano, quando as temperaturas na Flórida sobem mesmo e podem dificultar o seu dia nos parques. Não é fácil enfrentar longas filas embaixo do sol forte.



Para esses dias de calor extremo, atrações que envolvem a água podem ser uma excelente opção! Pensando justamente nisso está a grande aposta do SeaWorld para este ano de 2018. Inaugurado no mês passado (outubro), o Infinity Falls é a maior queda (12 metros) em uma atração de corredeiras do mundo! São jatos de água ao longo de todo o trajeto e um cenário que foi inspirado no clima dos rios e matas da América do Sul.

Veja também
Férias em Orlando parte 1 - Legoland: um mundo de diversão espera por você
Férias em Orlando parte 2 - Universal, terra do Harry Potter, dos heróis e dos filmes de Hollywood

A novidade é excelente, garante boas risadas, sendo perfeita para quem viaja em grupo, isso porque a boia que carrega o público tem capacidade para oito pessoas. Durante o circuito, o visitante tem
a oportunidade de assumir o papel de um conservacionista em uma jornada por uma floresta, aprendendo assim sobre a importância da preservação da água doce por meio de jogos interativos e histórias apresentadas durante o caminho.



E aqui vai um alerta: você sairá encharcado! Muitas pessoas optam por usar aquelas capinhas de chuva, mas acho que vale até levar uma roupa para trocar se assim se sentir mais confortável. Ou apenas relaxar e seguir seu passeio curtindo as demais (e são muitas) opções do SeaWorld. Exatamente o que eu fiz! Antes de seguir, deixo uma dica, as novas atrações geralmente possuem filas maiores porque despertam grande curiosidade dos visitantes, sendo assim, comece sempre por elas. Não deixe as novidades para o fim, quando já poderá estar cansado.

Manta, Kraken e Mako: para quem tem coragem




Entre as paradas obrigatórias, estão três montanhas-russas. Minha favorita é a Manta, diferente de todas as demais, inspirada nas arraias. O percurso até a atração já chama a atenção. São aquários com diversas espécies de arraias e outros peixes. Lá em cima, depois de se sentar, o mecanismo vira as cadeiras e você fica de barriga para baixo, ou seja, a sensação é de estar voando! Abra os braços e aprecie a experiência. Uma delícia!

Outra famosa montanha-russa do parque é a Kraken, que durante 2017 contou com sistema de realidade virtual, mas após um ano o uso dos óculos foi encerrado. Isso, contudo, não desmerece a atração, que vale a pena. O percurso atinge 45 metros de altura e 105 quilômetros por hora. Achou pouco, quer mais adrenalina? Então rumo à Mako, a mais alta, rápida e longa montanha-russa de Orlando. São 61 metros de altura, 118 quilômetros por hora e extensão de 1.451 metros. A Mako é uma hypercoaster – nome dado às montanhas-russas extremamente rápidas, com quedas íngremes e subidas e descidas que proporcionam a sensação de gravidade zero, a conhecida air time.

Além destas, há mais para conhecer na sua visita ao SeaWorld. A Journey to Atlantis é como uma montanha-russa aquática. A atração leva os passageiros a uma busca pela cidade perdida de Atlantis. Os visitantes se deparam com assustadores e surpreendentes elementos, como duas quedas radicais na água e, mais uma vez, saem bem molhados!

Baleias, focas e pinguins na programação



Também não faltam opções para quem quer ver de perto animais marinhos. O Wild Arctic começa com um voo de simulador sobre as geleiras do Hemisfério Norte. Ao sair da experiência no helicóptero, os visitantes “entram no mundo congelado do Ártico”, onde encontram baleias belugas, morsas e focas. Já o Antarctica: Empire of the Penguin, é uma atração para a família que mistura encontros com animais com a tecnologia de ponta. O mais legal é ver uma colônia de mais de 250 pinguins, sendo possível observá-los tanto por cima quanto por debaixo da água. Prepare-se para aguentar o frio que faz lá dentro. A temperatura é de -1ºC!



Para encerrar o seu dia no parque eu sugiro o show One Ocean. Pegue a pipoca, o refri ou água, e sente-se com antecedência no Shamu Stadium para ver o show das baleias orcas. Músicas, luzes e a interação dos animais com os treinadores impressiona e emociona. Caso não queira se molhar, sente-se nas fileiras de cima, do contrário, poderá levar um verdadeiro banho, tudo parte do show!

Busch Gardens, sinônimo de adrenalina



Pode acreditar, os 60 minutos que separam o Busch Gardens (localizado em Tampa Bay) de Orlando valem o trajeto. Portanto, se a sua viagem tiver mais de uma semana de duração, inclua ele na programação. O parque combina montanhas-russas radicais, grande zoológico com mais de 12 mil animais, shows ao vivo, restaurantes, lojas e jogos. Tem até um safári a seu dispor!

Se você é daqueles que curtem um friozinho na barriga e muita adrenalina, certamente vai adorar o Busch. Entre todas as montanhas-russas do parque, a minha favorita é a Cheetah Hunt, baseada nos movimentos do guepardo, considerado o animal mais veloz do mundo.

Essa é primeira montanha-russa com três arremessos da Flórida. Depois de entrar no carrinho, ocorre uma primeira explosão de aceleração, o melhor momento de todos. É tudo muito rápido, mas garanto que os 1,3 km de distância são deliciosos. Confesso que não resisti e fui duas vezes nela! Ah, no caminho até a Cheetah Hunt a gente passa pela Cheetah Run, uma área onde é possível ver os guepardos de verdade, bem de pertinho.



Além dela, vou destacar mais uma, a SheiKra, primeira dive coaster da América do Norte. Eu já conhecia a montanha-russa, mas mesmo assim fiquei tensa para ir desta vez! Depois do medo inicial, veio a euforia! A SheiKra leva seus passageiros a uma altura de 61 metros em uma jornada de 3 minutos de tirar o fôlego. A queda em um ângulo de 90º lança os visitantes em uma velocidade de 112 km/h – e isso é apenas o começo. Depois vem um looping immelmann (looping e giro simultâneos), seguido de uma segunda queda vertical de 42 metros.



Se quiser ir além anote aí outras opções: a Cobra’s Curse (a montanha-russa mais recente do parque, com giros, rodopios e uma subida vertical de 21 metros), a Kumba (com looping de 34 metros, onde é possível sentir a falta de gravidade por 3 segundos) e a Montu (que atinge 96km/h). Mas nem só de montanha-russa vive o Busch Gardens!

Lá também fica a maior torre de queda da América do Norte: o Falcon’s Fury. Localizada no coração no parque, ela tem 102 metros de altura. Olhando de baixo até assusta. Eu não conhecia e pensei duas vezes se iria ou não. Claro que fui convencida por colegas que já tinham experimentado a queda.

Ao subir, a gente pode observar boa parte do parque. E, lá em cima, vem a surpresa. No ponto mais alto da atração a gente gira 90 graus e fica de cara para baixo em uma posição de mergulho. Isso, mesmo! Instantes depois, todos despencam a 96 km/h. Podem acreditar, é incrível!!!

Quem gosta de ser molhar ou pelo menos não se incomoda com isso, pode incluir na lista de atrações o Congo River Rapids (cabem 12 pessoas no bote que desce várias correntezas) e o Stanleyville Falls Flume (que inclui uma queda de 13 metros na água).

Interação e proximidade com os animais




Gorilas, chimpanzés, pássaros, cangurus... O Busch Gardens é casa de todos esses animais e muitos outros. Em uma curta distância a gente avista diferentes espécies, em áreas devidamente preparadas para simular o habitat natural de cada uma delas. Para cuidar de todos os animais, o parque utiliza o Animal Care Center, espaço no qual os visitantes são convidados a observar bem de pertinho os tratamentos, podendo até mesmo participar desses procedimentos. Alimentação, exames, raios-X, cirurgias e outros ações veterinárias são realizadas na presença do público.

E além das atrações regulares do parque, o Busch Gardens também oferece maior interação com os animais através de opções de atividades extras, pagas à parte, que podem ser adquiridas no balcão do Adventure Tours Center. Entre elas está o Serengeti Safari!

O passeio começa depois que embarcamos num jipe aberto e dura cerca de 30 minutos, nos quais conhecemos mais da vida selvagem africana. O ponto alto, além das explicações do guia do parque que vai acompanhando, é a proximidade com as girafas e a chance de alimentá-las. Claro, não há garantia, porque isso vai depender da vontade e da fome delas!

Para nossa alegria, o carro para e o guia levanta alfaces. Lentamente as girafas vão se aproximando e todos os visitantes do grupo conseguem alimentá-las e, claro, registrar o momento com vídeos, fotos e até selfies.

O que vem por aí:


- O SeaWorld terá uma nova área temática da Sesame Street no parque, que tem previsão de inauguração para o segundo trimestre de 2019. A área terá seis atrações, são elas: Elmo’s Choo Choo Train, Cookie Drop, Abby’s Flower Tower, Super Grover’s Box Car Derby, Big Bird’s Twirl ‘n’ Whirl e Slimey’s Slider.

- No Busch Gardens a novidade será a inauguração da Tigris, montanha-russa de arremessos mais alta da Flórida, prevista para o segundo trimestre de 2019.  A Tigris promete loopings, quedas ousadas, uma subida impulsionada de 45 metros de altura e um giro no próprio eixo, tudo isso a quase 100 km/h.