Buenos Aires é mágica e cheia de ofertas de diversão e arte em qualquer clima, mas, por vezes, até a mais linda das cidades perde para o calor que os centros urbanos podem ser capazes de proporcionar em dias de verão escaldante. Quando cheguei na cidade em fevereiro de 2006, senti na pele essa opressão do clima na urbe. Mas como os amigos sempre salvam, me levaram à um final de semana no Tigre! Foi uma grande descoberta e continua sendo um dos meus destinos favoritos para uma escapada rápida da metrópole.

O município de Tigre se encontra a 30 km de Buenos Aires e é composto de uma zona continental e outra insular, o Delta do Tigre ou Delta do Paraná, que é um conjunto de canais e ilhas do Rio Paraná que desaguam no Rio da Prata. Este é o quinto maior delta do mundo, com 14.000Km2 de área e é um dos únicos, senão o único, a desaguar em outro rio e não no mar. A cidade foi escolhida em 2016 como um dos cem melhores destinos verdes do mundo pelo Top 10 Susteinable Destinations e oferece uma programação deveras variada: desde museus, passando por parque de diversões, esportes aquáticos, tours ecológicos, spas e até mesmo um cassino.


Como chegar


O primeiro trem que ligou Buenos Aires ao Tigre data de 1865 e segue sendo, até hoje, a melhor opção de transporte. Duas linhas fazem o trajeto partindo do terminal de Retiro e chegando em duas diferentes estações no centro da cidade: Tigre e Delta.

A linha Mitre TBA Retiro com destino à Tigre é mais direta e econômica. O deslocamento dura 50 minutos e a frequência é de 10 min durante a semana e 30 min no final de semana.

Já o turístico Tren de la Costa passa pelos municípios de Vicente Lopez, San Isidro (nos finais de semana visite a feira de antiguidades na estação do trem) e San Fernando, sempre acompanhando o rio. Neste caso, tome o trem da linha Mitre TBA Retiro com destino à Mitre e faça conexão ao Tren de la Costa atravessando a ponte localizada na Av. Maipú.



Também é possível o translado em ônibus (linha 60) ou de carro (próprio, alugado ou de aplicativos) mas recomendo fortemente o trajeto em trem como parte do passeio. Um bom aplicativo para este e outros trajetos na cidade é o Cómo Llego.

Passeios pelo Delta do Tigre


Justamente entre os dois terminais de trem está o Terminal Fluvial de Tigre, de onde saem todos os barcos para as ilhas. Ali há varias alternativas de passeios, desde as lanchas coletivas - usadas por moradores e veranistas e que funcionam nos mesmos moldes de qualquer ônibus urbano - passando por barcos de excursão e chegando até a opção de maior investimento, as lanchas táxi.

A lancha coletiva é uma boa opção para ter mais autonomia no passeio: basta ficar atento aos horários de ida e volta, tal qual um ônibus de linha. Além do mais, se vive a experiência mais genuína dos locais, que contam também com os serviços de barco mercearia, escola e hospital!



Para os mais aventureiros, caiaques estão disponíveis para aluguel de meio turno, excursões de dois dias ou mesmo com planos a medida. As informações sobre as empresas que operam os tours e atividades esportivas como os passeios de barco e catamarã e esportes como remo, wakeboard e sky aquático podem ser encontradas no mesmo Terminal Fluvial ou ainda na página da Prefeitura de Tigre para reservas antecipadas.

Dois lugares que valem muito a visita (e reservaria pelo menos um turno completo para cada um deles) são a Reserva Delta Terra e a Isla del Descanso. Na Reserva o visitante tem a possibilidade de conhecer plenamente a fauna e flora locais, com trilhas guiadas e também roteiros de interesse especifico como observação de aves e expedições de fotografia.

Já a Isla del Descanso é um pouco mais exclusiva e somente se pode visitar com reserva prévia através do site. Seu diferencial, porém, é integração da arte com a natureza, com obras de artistas como Pablo Reinoso e Julio Le Parc expostas nos jardins. Nos mesmos moldes do Inhotim, guardando as devidas proporções, este paraíso natural e artístico já recebeu inclusive a visita do ator norte-americano Will Smith.


Passeios pela cidade


Paseo Victorica

Este roteiro dos museus pela orla dos rios Tigre e Luján pode ser feito a pé ou com as bicicletas disponíveis para aluguel no entorno da estação. A primeira visita sugerida é ao Museu do Mate, que guarda a historia da tradicional bebida da região. Em seguida está o Museu Naval, com exposições permanentes e temporárias sobre a historia da navegação na Argentina. Por ultimo, o deslumbrante MAT - Museu de Arte do Tigre, que ocupa a antiga sede do Tigre Club, reduto para esporte e lazer da elite portenha dos anos 50. Inaugurado em 1912, o projeto do edifício é de Paul Pater, mesmo arquiteto responsável pelo Palácio Ortiz Basualdo, atual sede da Embaixada da França em Buenos Aires). Visita imprescindível, não somente pela arquitetura neoclássica belíssima, com primoroso restauro feito em 1998, mas também pela excelente coleção do museu.



No caminho entre os três museus estão diversos restaurantes e clubes de remo, além de varias áreas verdes à beira do rio onde se pode tranquilamente fazer um piquenique ou dar apenas uma paradinha para apreciar o visual. Também vale a visita ao Museo de la Reconquista, entrando um pouquinho no continente entre o Museu do Mate e o Naval. A entrada é gratuita e ao longo de suas seis salas se pode conhecer a historia da região através de fotos, documentos e objetos de época exclusivos.



Boulevard Saenz Peña

Mesclando gastronomia, arte e antiguidades, este boulevard atrai pelo ambiente extremamente aconchegante. Conta com obras de artistas como Milo Lockett e Pablo Vodopivec e a programação cultural fica a cargo da Usina Cultural Activa.



Puerto de Frutos

Mesmo estando à beira do rio, o nome se deve a que a mediados do século XIX, com a chegada dos imigrantes europeus, italianos principalmente, a região foi grande produtora de frutos cítricos. Nos dias de hoje conta não somente com frutas, mas com uma variedade enorme de produtos, desde artesanato local até vestuário e móveis. Do Porto também saem barcos de passeio assim que outra opção é começar o dia por aqui e depois seguir para as ilhas.



Parque de la Costa

Para ir com os pequenos ou para despertar sua criança interior, o parque de diversões completa o cenário idílico da cidade e proporciona uma alternativa mais lúdica e leve de passeio, bem no centro da cidade.



Cassino Trillenium

Neste parque de diversões para adultos a entrada é livre para maiores de 18 anos. O cassino segue o modelo tradicional com shows e gastronomia, além das maquinas caça-níquel e das mesas de jogos.

Atividade é o que não falta, mas sabe o que vale muito também? Apenas escolher um dos muitos restaurantes da cidade, pedir uma boa comida, uma taça de vinho e, na companhia de um bom livro, entregar-se à pura contemplação!

Bom passeio!