Por ser jornalista e trabalhar com turismo, sempre sirvo de inspiração e muitas vezes de guia para os meu amigos e familiares. São muitos os questionamentos que recebo quando decidem tirar férias! O tema desta matéria surgiu exatamente de uma pergunta dessas. Viajar para Punta Cana ou Cancún? Eis a questão.

Bom, depende. Ambos os destinos possuem cenários deslumbrantes, de tirar o fôlego! Então, no quesito beleza eles estão em pé de igualdade, mas antes de emitir sua passagem para o República Dominicana ou México, vale avaliar cada um deles com calma e, o principal, saber que tipo de viagem você fará: familiar, com ou sem crianças, entre amigos ou a dois. Dessa forma, fica mais fácil decidir.

Punta Cana


Punta Cana não é capital da República Dominicana e sim Santo Domingo, mas é, sem dúvida, a cidade mais famosa do país. Viajei para lá no mês de maio, com meu marido, em busca de descanso. E foi exatamente isso que encontramos. O Aeroporto Internacional de Punta Cana (PUJ) recebe voos de 16 países. Agora, com as novas rodovias, os turistas estão a menos de uma hora de La Romana e a 2h30 de Santo Domingo. Ao desembarcar, o teto de sapê que engloba os três terminais do aeroporto chama a atenção e faz você entrar no clima do destino. Estamos no lugar certo, pensei!

Dali, pegamos o transfer previamente contratado rumo ao hotel, um dos muitos resorts que dominam a orla da cidade.  A maioria está a uma distância entre 10 e 40 minutos do aeroporto. Os grandes resorts atendem bem as famílias, e desenvolveram parques de entretenimento para as crianças. Esse é o ponto alto de uma viagem para Punta Cana, não precisar sair do resort para nada, a não ser que você queira.

E não, você não vai ficar cansado de estar ali por uma semana.  Além da variedade gastronômica, já que cada hotel possui no mínimo uns três restaurantes diferentes, há também uma diversidade de shows para os hóspedes todas as noites, além de cassinos e discotecas em suas instalações.

Antes de viajar eu havia lido muito a respeito da gastronomia do país, sobre o fato de não ser de alta qualidade, mas garanto que isso vai depender do resort escolhido. Posso dizer que comi um dos melhores pratos da minha vida durante a viagem: espaguete negro (feito com tinta de lula) com camarão. Portanto, vale a pena usufruir da culinária dos resorts e agendar os restaurantes à la carte que exigem reserva!

Funciona assim, os resorts possuem uns dois restaurantes que não precisam de reserva, no esquema self-service e tantos outros igualmente gratuitos, mas que precisam ser previamente marcados. Basta acordar, escolher onde quer jantar e garantir seu lugar ligando para a recepção.



Durante o dia, as praias – de areia branca, cheias de palmeiras e abençoadas por um céu azul – são o principal atrativo. Você pode praticar snorkeling, surfe, kitesurfe, windsurfe, SUP (Stand Up Paddle) ou apenas se deitar nas espreguiçadeiras montadas pelo seu hotel e observar o ir e vir das pessoas enquanto bebe um drink especialmente preparado para você.

Os resorts oferecem essa completa estrutura para o hóspede apenas relaxar e curtir aquele momento no “paraíso”. Desde outubro de 2013, 18 praias da República Dominicana possuem o título de Bandeira Azul (Blue Flag), já que atendem os critérios de alta qualidade da água, gerenciamento ambiental, acessibilidade para cadeirantes, reciclagem, banheiros e salva-vidas.

Dos resorts partem tradicionais passeios como o mergulho com leões-marinhos e golfinhos. Quase todas as hospedagens fazem o agendamento junto ao Manati Park e o Dolphin Island Park, sendo este último feito em “piscinas” em alto-mar na região de Bávaro. Muitos optam por conhecer o Marinarium, onde é possível se aventurar mergulhando com arraias e até tubarões! Entre todas as opções eu decidi partir rumo à Ilha Saona!



Saímos de manhã cedo do hotel, de ônibus. No caminho (que dura em média 2h) até bayaribe, de onde partem os barcos, há uma parada numa fábrica de charutos. São 40 minutos de visitação que permite aos visitantes observar o processo de produção, além de comprar os mesmos por um bom preço.

Depois dessa pausa, o longo percurso continua. Enfim, avistamos os barcos. Vai começar a aventura! Ao subir na embarcação é só festa! Muita música e dançarinas vestidas a caráter bailam ao som da salsa e merengue, tentando convencer os turistas a fazer o mesmo. A equipe de fotos e filmagem, que faz o passeio, registra tudo para vender o material ao final do dia.

A Ilha Saona é lindíssima! Você certamente vai conseguir encher suas redes sociais com imagens capazes de arrancar suspiros – e muitos likes! O tempo ali é suficiente para dar mergulhos nas águas cristalinas do local. O almoço está incluso no pacote, mas realmente está longe de ser o ponto alto do dia. É suficiente para não te deixar faminto.

Leve snorkel e aproveite o mar em toda a sua plenitude. Na volta, o trajeto é mais curto e feito em lanchas rápidas, que param em bancos de areia no alto mar. Ali, todos mergulham e as gigantes estrelas do mar são as grandes atrações, lindas e ao seu alcance. No ônibus, de volta, todos, exaustos, dormem a caminho do hotel.

Em Punta Cana, quando o sol se põe, a grande população jovem que mora e trabalha na cidade se dirige às discotecas, pubs e lounges mais conhecidos: Dux (Cap Cana), Punta Cava (Punta Cana Village), Luna del Caribe, Imagine, Jewel, Mangú, Onno’s, Fantasy (Bávaro), Pachá (Riu) e Oro (Hard Rock). Um dos maiores cassinos em Punta Cana, o Princess Tower Casino & e a Lancelot Disco estão abertos para todos os visitantes

Cancún


Algum tempo depois de Punta Cana, foi a vez de conhecer Cancún. O esquema foi o mesmo, férias com o marido. O voo fez uma conexão na Cidade do México e depois de algumas horas no aeroporto, embarcamos rumo ao tão famoso destino caribenho. Enfrentamos uma fila bem longa na imigração, antes de sermos liberados. O lugar recebe em média 3,3 milhões de visitantes por ano. Durante a espera, ao longo de cada passo dado, percebi que muitos brasileiros estavam ali, como nós, ansiosos para os atrativos que viriam pela frente: 22 km de praias com águas cristalinas e areias brancas.



No caminho até o resort e durante toda a estadia, a sensação de um destino moderno chama a atenção. São muitas as opções de atividades e vida fora dos hotéis, que incluem shoppings badalados com as grandes grifes internacionais, restaurantes e casas noturnas. Para completar, a cidade consegue unir de forma equilibrada atualidade e antiguidade, já que está situada no território da Civilização Maia, sendo considerada a porta de entrada para o “Mundo Maia”.

Os resorts all inclusive se concentram lado a lado no Boulevard Kukulcán, de frente para o mar do Caribe, na chamada “Zona Hotelera”. A infraestrutura oferecida por eles também impressiona e satisfaz. A maioria possui cerca de cinco restaurantes e seguem no mesmo modelo de Punta Cana, com dois no estilo self-service e os demais - no modelo à la carte – exigindo agendamento, mas de forma gratuita.

Vale a pena tirar alguns dias para curtir o resort, aproveitar as piscinas, caminhar pela areia e curtir todo o conforto das espreguiçadeiras com serviço de garçom, na praia, a poucos passos do seu quarto. Mas a agitação de Cancún parece te convidar a explorar a cidade e, nesse caso, você poderá escolher entre diferentes passeios que, na maioria das vezes, vão durar o dia inteiro. Todos podem ser comprados nas agências de turismo que ficam localizadas dentro do próprio resort.

Para conhecer a Zona Arqueológica de Tulum, localizada a 130 km de Cancún, com sua cidade murada de frente para o oceano, é preciso sair cedo do hotel. O parque que guarda muito do que restou da civilização Maia, com ruínas intactas, abre 8h e ao longo do dia vai ficando cada vez mais cheio.

Tulum foi uma fortaleza Maia que viveu seus momentos de glória no final do período clássico (por volta do ano 1000 d.C.). A mais icônica das estruturas, chamada “O Castelo”, encontra-se na beira de um escarpado de onde podem ser apreciadas as águas cor turquesa do mar. Este é, sem dúvida, o canto mais fotografado da região. Se você preferir evitar as aglomerações, a melhor opção é ir numa terça-feira de manhã.

Quem viaja com crianças deve se programar para visitar o Xcaret ou Xel-Há, os dois principais parques temáticos do México e onde é possível praticar snorkeling em seus rios subterrâneos. Nossa experiência no Xcaret foi bem positiva e, mais uma vez, é preciso realmente acordar cedo para aproveitar tudo (ou quase tudo, já que em um único dia não dá para ir em todas as atrações) que o lugar oferece. Foram 45 minutos de carro de Cancún até lá.



Umas das principais atrações diurnas do Parque Xcaret é a “Caleta”, onde você pode fazer mergulho livre e apreciar, com bastante clareza, coloridos peixes ao seu redor. Também é possível nadar com golfinhos, tubarões, ou pular em poços naturais, bem como ter aulas de mergulho, visitar o aquário de coral ou olhar o tanque de tartarugas gigantes onde é possível alimentá-las. Se você souber nadar, explore o rio subterrâneo e viaje por meio das cristalinas águas. Não é preciso ser um expert em mergulho para descobrir o misterioso mundo aquático, para viver esta experiência você só precisa de um colete salva-vidas.

E a viagem não estaria completa sem as compras! Não resistimos e partimos rumo ao La Isla Shopping Village, lá fica também um aquário onde se pode nadar com golfinhos, mas esse não era o nosso foco, e sim, as ofertas e preços baixos, claro! São muitas as lojas espalhadas pelo moderno shopping e preços muitas vezes convidativos.

As melhores promoções que encontramos foram nos perfumes, e a mala voltou cheia deles, diga-se de passagem. Se quiser levar lembrancinhas para toda a família um bom lugar para começar sua busca de artesanatos mexicanos é a Casa da Arte Popular Mexicana, um maravilhoso museu e loja localizado em El Embarcadero (na porta de entrada norte da zona hoteleira).

Aproveite sua viagem a Cancún para também comprar a tradicional bebida mexicana: tequila! Mas cuidado, nem todas são produzidas do mesmo modo. Procure sempre as que no rótulo constarem que são “100% agave”. Aí não tem erro. Os shots não vão descer queimando. E esqueça o sal, por lá o negócio é só limão mesmo.

E quando o assunto é vida noturna, mais uma vez são muitos os clubes, mas um deles caiu nas graças dos visitantes de todo o mundo e foi a nossa escolha: o Coco Bongo. Muita gente se encontra ali em meio a luzes e sons, e fica difícil até saber para onde olhar. A entrada não é barata, mas vale a experiência e a sensação de que a vida é uma festa (pelo menos naquelas horas ali entro). Se você é do tipo baladeiro, vale conhecer também o Dady' O, Roots Jazz Club e Basic, todos funcionam a madrugada toda e só fecham as portas quando o último cliente decide ir embora.

Os dias foram tão intensos que não tivemos tempo de conhecer a famosas Isla Mujeres (ao norte) e Cozumel (ao sul), e nem a badalada Playa Del Carmen. Isso vai ficar para uma próxima viagem, e tema de outra matéria!

Conclusão


Seja Punta Cana ou Cancún, você certamente voltará com boas recordações e terá vivido dias deliciosos tendo o mar do Caribe como pano de fundo. Uma é mais rústica, tranquila e menos badalada, a outra mais moderna, agitada e está sempre na moda, mas sem dúvida: ambas valem a viagem e vão te surpreender! E aí, o que prefere? Corre para o Voopter e garanta o seu voo.