As evidências arqueológicas mais antigas dizem que o vinho surgiu entre 8.000 e 5.000 AC. Na história o vinho foi introduzido no Egito pelos gregos. Já na religião, o vinho tem papel fundamental na história do cristianismo. São tantas evidências que não dá pra negar: vinho é uma das bebidas mais consumidas (e gostosas!) do mundo.

Uma recente pesquisa apontou que depois da água, as bebidas mais consumidas (em ordem alfabética) são: café, chá, cerveja, leite e vinho. Em países mais frios, como os da Europa, o vinho está presente nos almoços e nos jantares.

Mas apesar de estar presente em todos os continentes, há lugares onde se pode degustar o vinho direto da fonte. E o que não faltam são belos destinos turísticos produtores de vinho.

Se assim como a gente você também é um apreciador da bebida e gosta de viajar e experimentar o “vinho da casa”, selecionamos seis destinos perfeitos para suas férias regada à bebida.

Boa leitura e tim tim!

Mendoza




Se você é apreciador de vinho, Mendoza é a sua Disneylândia. E não é exagero em afirmar isso. A cidade argentina é a maior produtora de vinho da América do Sul e tudo isso começou há cerca de 30 anos.

E apesar de ter muitas uvas, os melhores e mais valorizados rótulos são produzidos pela uva Malbec, prata da casa. E ao todo são pouco mais de 130 bodegas abertas a visitação. Ou seja, tem bodega tanto para iniciante quanto para os mais experientes.

Com 5 dias de viagem você consegue fazer um roteiro bem completo, passando por algumas das mais importantes bodegas e conhecendo mais do vinho. Já se você quer se hospedar numa vinícola, algumas são muito bem recomendadas como a Valle de Uco. Os preços são um pouco mais salgados em relação aos hotéis na cidade, mas vale a experiência.

Santiago




Você pode até não ter reparado, mas certamente já bebeu algum vinho chileno. O Brasil é um dos três maiores consumidores do autentico e forte vinho chileno e visitar uma vinícola é um programa quase obrigatório para quem vai à cidade.

E uma viagem a Santiago só está completa quando se inclui visitas a Vale del Maipo, região onde estão as principais e mais tradicionais vinícolas do país, como Concha Y Toro ou Cousiño Macul.

Concha Y Toro é a mais famosa vinícola e também a mais hollywoodiana. Um tour pela cave Casillero del Diablo, um dos rótulos da Concha y Toro, tem efeitos especiais com áudio e luzes. Os tours são guiados (com guias em português), mas é preciso agendar com antecedência.

Napa Valley




Maior estado norte-americano, a Califórnia também tem outros superlativos que a acompanham, como a de maior produtora de vinho nos Estados Unidos. E quando se fala em vinhos californianos, estamos falando de Nappa Valley, região de montanha localizada há uma hora de São Francisco.

Em Napa quase todas as vinícolas estão abertas a visitação, mas todas precisam de agendamento - que pode ser feito na hora em alguns casos. E todos os tours são seguidos de degustação. Para não ter erro, o ideal é parar no grande centro de turismo localizado na entrada da cidade e buscar mais informações. Por lá é possível, inclusive, fazer suas reservas. 

Se você não é um profundo conhecedor da bebida e está fazendo sua primeira degustação, nossa dica é começar pela vinícola Robert Mondavi, a principal e a mais didática quando o assunto é vinho. A vinícola, localizada em Oakville, é conhecida por produzir alguns dos melhores vinhos Cabernet Sauvignon no mundo, além de produzir uvas Sauvignon Blanc.

África do Sul




Nem só de safári e belezas naturais vive o turismo na região de Cape Town, na África do Sul. Por conta da sua posição geográfica, clima e solo, o país de Nelson Mandela tem despontado para o mundo. Alguns dos melhores rótulos vêm de lá. E o melhor: os preços das garrafas são super baratos. 

A África do Sul é hoje o sétimo maior produtor de vinho do mundo. E grande parte dessa produção vem de Stellenbosch, uma cidade a 40km de Cape Town, na região de Western Cape - onde são produzidos 95% dos vinhos sul africano.

Entre as dezenas de marcas, a Distell é aquela com maior número de rótulos. Esta também é a vinícola com melhor infraestrutura para seu tour, incluindo hospedagem, caso você queira passar a noite na estância.

Itália




Para nós, brasileiros, os vinhos italianos não são tão comuns quanto as garrafas da Argentina ou Chile. Mas se há um país que produz (e muito) vinho é a Itália. São tantos rótulos e uvas que fica difícil até para o mais experiente enólogo conhecer todo o potencial do país europeu. No mapa do vinho italiano, todas as regiões têm um tipo de uva diferente.

A região nordeste é conhecida por seus vinhos brancos. E o grande destaque desta área é a região de Veneto. Em termos de vinho tinto, com certeza o que se destaca mais é o Amarone. Já na região noroeste a fama fica pelos famosos vinhos tintos, principalmente aqueles produzidos com uvas Nebbiolo.

A Toscana é sem dúvida a região italiana mais conhecida no exterior por sua beleza, mas também por seus vinhos. A sua principal uva é a Sangiovese que possui um sabor típico de cereja. Na região de Abruzzo é produzido o ótimo Trebbiano d’Abruzzo, pouco conhecido internacionalmente, mas que na Itália já ganhou inúmeros prêmios. A região de Marche produz ótimos vinhos brancos, como o leve Passerina e o fresco e cítrico Verdicchio dei Castelli di Jesi.

E se você ainda precisa de mais algum motivo para visitar a Toscana, a foto acima vai te ajudar a dar o empurrão que está faltando.

Austrália




Você pode até não acreditar, mas a Austrália produz excelentes vinhos. Alguns com prêmios mundiais. E a preços excelentes.

Toda parte sul da Austrália é cercada de boas regiões, mas a principal fica bem perto de Sydney. Hunter Valley, em New South Wales, é a mais antiga região vinícola do país.  É famosa por seus jantares requintados, escolas de culinária, galerias, retiros de spa e campos de golfe. O semillon do Hunter Valley é considerado o vinho ícone da região, embora o Hunter também produza vinhos de uma grande variedade de uvas, incluindo shiraz, chardonnay, cabernet sauvignon e verdelho.

Já próxima de Melbourne fica a região de Yarra Valley, onde estão cerca de 85 vinícolas. Por conta do clima mais frio, as uvas destaques são pinot noir e espumantes. O Yarra Valley também tem uma longa história de produção de cerveja, provando que de bebida boa eles entendem!

E agora que já sabe quais são as nossas dicas de enoturismo, queremos ouvir sua opinião. Conte pra gente, atrás das nossas redes socais, onde foi que você tomou seu melhor vinho e para onde gostaria de ir.